Delirium

Delirium é a mais jovem dos perpétuos.

Ela cheira a suor, vinho azedo, noites tardias
e couro velho.

Seu reino é próximo e pode ser facilmente visitado.
As mentes humanas, porém, não foram feitas para
compreender seu domínio, e os poucos que viajaram
até ele conseguiram relatar apenas fragmentos perdidos.

Sua aparência, um amontoado de ideias vestidas no
semblante da carne, é a mais variável de todos Perpétuos.
A forma e o contorno de sua sombra não têm relação com a
de nenhum corpo que esteja usando. Ela é tangível como
veludo gasto.

Alguns dizem que a grande frustração de Delirium é saber
que, apesar de ser mais velha que as estrelas e mais antiga
que os deuses, ela continua sendo eternamente a mais jovem
da família, pois os Perpétuos não medem tempo como nós nem
veem mundos através de olhos mortais.

Um dia, Delirium também já foi Deleite. E, embora isso tenha
sido a muito tempo, ainda hoje seus olhos têm matizes
diferentes: um é verde-esmeralda bem vivo, salpicado de pontos
prateados que se movem incessantemente; o outro é do mesmo azul
que esconde sangue dentro de veias mortais.

Quem pode saber o que Delirium vê através de seus olhos desiguais?

Sandman – Neil Gaiman

————-

Tá… quem me conhece, sabe da minha louca paixão pela Death – Morte. Tenho camisas, tenho vários edições do Sandman, imagens e enfim…

SÓ QUE, por incrível que pareça, meu primeiro contato com sandman e seus irmãos, foi lendo “Os Pequenos Perpétuos” e não com com o Sanman como normalmente acontece.

Também não é de hoje que eu me descobri apaixonada por literatura infantil. Vou postar algumas coisas “infantis” aqui.

Antes de eu me descobrir apaixonada pela Death, eu me identificava DEMAIS com a Delírium (tirando o fato dela ser a irmã caçula e outros pequenos detalhes, rs).

Foi quando eu fiz um teste no Facebook ou Twitter (@KarynK), sei lá, pra descobrir qual dos Pespétuos você é. Pela primeira vez, fiz um teste, sem tentar influenciar no resultado lendo as alternativas e… descobri que sou a Delírium…

Muito em breve, esse desenho ou outro da pequena Deliríum, que ja foi, há muito tempo, Deleite, vai estar tatuado!

🙂

“Não ria de mim, Desejo, não brinque comigo. Eu sei o que você está insinuando. Mas também sei coisas que nenhum de vocês sabe. Sei muitas coisas sobre nós, coisas que nem ele [Destino] sabe.”
Estação das Brumas, Neil Gaiman

————-

Ps. post ja publicado no fotolog

Anúncios

“RetroSPECTATIVA”

Eu ultimamente, ando tendo sonhos muito esquisitos. Gostaria muito de lembrar para contar, mas geralmente eu só lembro nos primeiros instantes após abrir os olhos, e às vezes antes disso. Mas aquela sensação de sonho ruim, que nem chegou a ser um pesadelo, fica remoendo aqui dentro.

Esse ano Poderia ter sido melhor, se não tivesse sido recheado de péssimos momentos marcantes. Conheci pessoas muito especiais, e outras inevitavelmente descartáveis. O engraçado, é que você conhece uma pessoa, tem a idéia lúdica de que se conhecem há anos, por motivos inúmeros, e chega em um ponto onde você não só se decepciona com a pessoa, mas simplesmente deleta ela da sua vida, como apenas um acontecido. Aconteceram algumas vezes comigo esse ano, e espero que seja recíproco. Acho que o pior desse ano, foi um afastamento por motivos de ritimo de vida diferente, que fez com que eu, muito por culpa do meu isolamento, não soubesse se quer notícias de algumas pessoas muito queridas.

Esse ano eu quis mudar, mas continuei a mesma. Tirei a minha máscara, revelei meu verdadeiro eu, na esperança de que os outros fizessem o mesmo, e o que aconteceu foi que o mundo muda, mas as pessoas, não. Mentiras verdadeiras, mentiras e mais mentiras, seja lá qual seja a espécie. Eu deveria pensar mais em mim, e menos nos outros, mas não é da minha natureza, aí acontece o que acontece sempre, eu dando a cara a tapa, colocando a mão no fogo, e me queimando. Tá difícil acreditar nas coisas e nas pessoas. Não sei ser metade racional, metade passional. Eu até tento ser menos coração, mas não consigo.

O ano começou enganosamente bem, e terminou verdadeiramente sem graça. Apenas eu, e a minha enorme vontade de sair por aí, viajar. Sinto saudades de pessoas que estão perto, e de pessoas que estão longe. Amigos, tenho poucos, mas amo cada um deles. Ja fui uma pessoa cheia de “amigos”. Hoje aprecio a minha solidão, e gosto de estar assim. Não estou depressiva, nem jamais pensei em algo diferente para esse fim de ano. Só espero, com todas as minhas forças, que esse ano seja melhor pra mim, que eu tenha vontade de comemorar meu aniversário, que eu nunca mais deixe de fazer ou faça alguma coisa por alguém que não seja eu. Não que eu não tenha feito algumas de minhas vontades esse ano, mas fiz pelos motivos errados. Sempre tenha certeza de que você é importante ou especial para alguém.

Amei os encontros inesperados desse ano. Pessoas que eu conheci por acaso, e se tornaram fundamentais na minha vida, mesmo eu tendo todos os meus desvios de humor. Amigos de amigos, ou apenas um esbarrão, não faz diferença.

Magoei pessoas, sendo sincera, com a melhor das intenções, mas sinceridade às vezes é demais. Eu ainda sou adepta da verdade doa a quem doer. Tenho muitos defeitos, mas odeio mentira e ingratidão, que aliás, vi muito esse ano também.

Não guardo mágoas, de ninguém, não só desse ano, mas de todos. Perdoei erros imperdoáveis, e o fim, tudo continuou na mesma. Então, reservo-me ao direito de não querer maos notícias. Mesmo que algumas pessoas que ja passaram, ainda estão passando, e ainda vão passar muito pela minha vida, pois certas pessoas não tem como se deletar, mas, as que eu posso, ja o fiz. Não me preocupo mais, não quero memso mais saber, e acho que mesmo com o passar do tempo, ainda optarei pelo silêncio. Que assim seja.

A melhor coisa que me aconteceu esse ano, por meios de força maior, foi eu ser cada dia mais feliz por ser mãe de um filho tão maravilhoso, amosoro, carinhoso, “mal criado”, peralta, bagunceiro e lindo. Eu sou feliz por ser mãe, por tudo que eu tive que deixar para trás por causa dele, e por todo dia de manhã, ele me aturar, com reméla, babada, bafo matinal, sono, me abraça, me beija e diz que eu sou a “mamãe linda dele”. Que mais eu vou querer dessa vida?! Nada merece mais o meu amor que ele, NADA e nem ninguém.

Espero que 2010 seja um ano melhor para mim, e para todos que precisam, e aproveitam o maximo que a vida tem para nos dar, se amando, e fazendo com que aquels que merecem, nos amem também.   Espero que ano que vem, eu não sente em meus problemas, simplesmente os resolva, sem muitas duvidas, nem questionamentos. apenas um caminho, o meu.

😉

————-

Coldplay – Viva la Vida

I used to rule the world
Seas would rise when I gave the word
Now in the morning and I sleep alone
Sweep the streets I used to own

I used to roll the dice
Feel the fear in my enemy’s eyes
Listen as the crowd would sing
“Now the old king is dead! Long live the king!”

One minute I held the key
Next the walls were closed on me
And I discovered that my castles stand
Upon pillars of salt and pillars of sand

I hear Jerusalem bells are ringing
Roman Cavalry choirs are singing
Be my mirror, my sword and shield
My missionaries in a foreign field

For some reason I can’t explain
Once you go there was never
Never an honest word
That was when I ruled the world

It was the wicked and wild wind
Blew down the doors to let me in
Shattered windows and the sound of drums
People couldn’t believe what I’d become

Revolutionaries wait
For my head on a silver plate
Just a puppet on a lonely string
Oh who would ever want to be king?

I hear Jerusalem bells are ringing
Roman Cavalry choirs are singing
Be my mirror, my sword and shield
My missionaries in a foreign field

For some reason I can’t explain
I know Saint Peter won’t call my name
Never an honest word
But that was when I ruled the world

Oh, oh, oh, oh, oh

Hear Jerusalem bells are ringing
Roman Cavalry choirs are singing
Be my mirror, my sword and shield
My missionaries in a foreign field

For some reason I can’t explain
I know Saint Peter won’t call my name
Never an honest word
But that was when I ruled the world

PS, eu gosto muito da versão original do clipe, mas sem querer achei essa, e adorei!

Coldplay em 2010! \o/ 😀

O Beija-Flor e a Borboleta

Era um beija-flor jovem, cheio de energia e despreparado para a vida. (Os beija-flores vivem 10 anos.) Era uma borboleta recém-nascida e poronta para viver e amar. ( As borboletas daquela espécie vivem três dias.) Borboleta e beija-flor esbarraram-se, sem querer, no ar. Uma energia especial se espalhou em volta deles e comoveu a borboleta. O beija-flor estava preocupada em chupar a flor que lhe dava energia, tinha pressa e nao reparou em nada. Chegou o dia seguinte e a borboleta deu um jeito de posar na flor do beija-flor. Ele, de novo, não reparou que ela suspirava por ele. Veio o terceiro e último dia. A borboleta decidiu gastá-lo, inteirinho, com o beija-flor. Assim, ficou no seu caminho e quando ele apressado, ela se jogou na frente. O beija-flor vinha bem a uns sessenta quilômetros por hora, não teve tempo de parar e… furou a asa azul dela com o bico! A borboleta caiu no chão, suspirou feliz e morreu. O beija-flor apressado, seguiu o seu caminho.

Autora: Diléa Frate

Livro HISTÓRIAS PARA ACORDAR

Estou para postar esse texto ha meses, mas ando tão desanimada, que sempre fico com preguicinha. Me descobri apaixonada por literatura intanfil, acho que foi a maternidade, não sei.

————-

Ultimamente tenho ouvido muito Radiohead. E a música que não tem saído da minha cabeça é Paranoid Android. Quando eu cismo com uma banda… rs Baixei a discografia da Placebo e to terminando a dos Beatles.

Radiohead – Paranoid Android

Please could you stop the noise, I’m trying to get some rest
From all the unborn chicken voices in my head
What’s that…? (I may be paranoid, but not an android)
What’s that…? (I may be paranoid, but not an android)

When I am king, you will be first against the wall
With your opinion which is of no consequence at all
What’s that…? (I may be paranoid, but no android)
What’s that…? (I may be paranoid, but no android)

Ambition makes you look pretty ugly
Kicking and squealing gucci little piggy
You don’t remember
You don’t remember
Why don’t you remember my name?
Off with his head, man
Off with his head, man
Why don’t you remember my name?
I guess he does….

Rain down, rain down
Come on rain down on me
From a great high
From a great high…high…
Rain down, rain down
Come on rain down on me
From a great high
From a great high… high…
Rain down, rain down
Come on rain down on me

That’s it, sir
You’re leaving
The crackle of pigskin
The dust and the screaming
The yuppies networking
The panic, the vomit
The panic, the vomit
God loves his children, God loves his children, yeah

(500) Dias com ela?

Ou seria (500) Dias comigo? Complicado! Rs

Semana passada fui assistir a esse filme depois de muitas críticas positivas. Sentei durante os trailers ainda, abri minha enorme sacole de guloseimas enquanto esperava o refrigerante. Nas primeiras cenas, eu ja fiquei rindo muito com a semelhança (nada física) entre Summer (Zooey Deschanel) e essa que vos escreve. Pior que eu não fui a única a concordar. O filme inteiro ela faz umas coisas que eu faço, e age da mesma forma que eu para algumas situações, as caras que ela faz, incrível, parece que o filme foi baseado em mim e nas mudanças constantes do meu humor. Admito que, mesmo quando ela é cruel, a diferença é que eu sou mais sincera do que ela, o que me trás grandes problemas às vezes. Sou à favor da sinceridade absoluta. Isso de “mente pra mim, pra me fazer feliz” não combina nem com o que eu sou, nem com o que eu gosto que sejam comigo, só que como eu sempre digo para minha mãe “a gente não pode esperar que as pessoas sejam com a gente da mesma forma que nós somos com elas, isso nunca acontece”.

eu nem sempre fui assim… Mas se eu fosse começar a falar sobre isso, não ia dar muito certo, então voltemos a falar do filme…

O final é surpreendente, e diferente dos filmes convencionais no gênero comédia romântica, o narrador memso diz algo como “…isso não é uma história de amor…”! Enfim, eu super recomendo.

Trailer sem legenda:

Trailer com legenda:

A trilha sonora tb, prato cheio pra quem gosta de The Smiths:

1. A Story of Boy Meets Girl – Mychael Danna and Rob Simonsen
2. Us – Regina Spektor
3. There Is A Light That Never Goes Out – The Smiths
4. Bad Kids – Black Lips
5. Please, Please, Please Let Me Get What I Want – The Smiths
6. There Goes The Fear – Doves
7. You Make My Dreams – Hall & Oates
8. Sweet Disposition – The Temper Trap
9. Quelqu’un M’a Dit – Carla Bruni
10. Mushaboom – Feist
11. Hero – Regina Spektor
12. Bookends – Simon & Garfunkel
13. Vagabond – Wolfmother
14. She’s Got You High – Mumm-Ra
15. Here Comes Your Man – Meaghan Smith
16. Please, Please, Please Let Me Get What I Want – She & Him


Ps. Eu gostaria MUITO de uma camiseta promocional igual a que ele ta usando na foto! >.<